BELEZA DA PAIXÃO E DA DESILUSÃO

BELEZA DA PAIXÃO E DA DESILUSÃO
Nos apaixonamos pelo outro e só vemos o belo, achamos que todos os defeitos são irrelevantes. Este auto-engano tem uma função belíssima. 
Vemos o outro não com olhar tridimensional, mas sim percebemos, ativada nossa capacidade através do Amor, o que este é em essência. 
O encantamento nos abre o coração para confiar e viver novas experiências para as quais estávamos um tanto fechados. 
Após percebermos coisas que eram importantes e que não estavam recebendo nossa atenção, natural e automaticamente nos apropriamos, internalizamos aqueles conteúdos. 
Empoderados, nossa visão crítica aparece para nos mostrar que aquilo não está no outro. 
Brigamos com a realidade para evitar a des-ilusão. Afinal o mundo das idealizações é muito mais bonito. E como ousa o outro não ser mais meu personagem perfeito daquela história? De repente de príncipe virou sapo????
Ou crucificamos o outro por isso ou nos crucificamos por termos nos iludido.
Onde errei???
Como não enxerguei???
Se o processo parar por aí, vamos repetir incontáveis vezes a mesma decepção, a espera do príncipe encantado que se encaixa naquela história em que a princesa não faz nada por si mesma, apenas espera por ele no alto de uma torre solitária, triste e cheia de sonhos, expectativas...
Podemos, a partir daí, agradecer este despertar, o beijo da bela adormecida que já tirou a princesa deste marasmo e vazio. Despertou sua essência. 
É isso que acontece. 
Vemos o melhor de nós (essência) no outro quando nos apaixonamos. É realmente uma ilusão. Mas é uma ilusão com função. 
Se percebemos, na desilusão, com gratidão, que foi isto que aconteceu e que a desilusão, o despertar do encantamento, aconteceu justo porque já nos apropriamos e nos empoderamos do que é nosso, mas víamos no outro por não conseguimos ver em nos mesmas, então podemos seguir e escolher como seguir. 
Se vamos agora amar incondicionalmente este homem real, não mais príncipe. Ou se vamos seguir em busca do príncipe que não existe e repetir tudo isso. 
Até um dia casar com qualquer um tão vazio quanto nós, porque ele topou o conto de fadas. Ou fechar o coração pela amargura e birra com a vida que não se rendeu ao nosso sonho de Cinderela. E estamos lá, ainda pobres, miseráveis de alma, solitárias e tristes. 
Responsabilidade de quem?
Não existe traição;
Não existe roubo;
Não existe alguém com poder para nos dar "o felizes para sempre" ou sofrimento eterno. 
Somente nós mesmos temos este poder. De nos trair, de nos roubar, de nos destruir em coração. 
E isso acontece através da transferência desta responsabilidade para outrem. 
Aplique-se mesmo para transferir pro dinheiro, pro pai, pra mãe, pro chefe, pro governo...
Ninguém tem este poder. Só nós mesmos. 
Sugestão de transforma-ação: agradecer agora as características que os relacionamentos passados, mesmo através da decepção, mas também através de bons momentos, despertou em nós. Agradeça a cada um por quem se apaixonou um dia, o presente valioso que recebeu desta pessoa. 
Se for o caso, imagine se, agora, depois de feito isto, você teria relevado e investido um pouco mais em alguma destas relações. Se sim, por que?
Isto que não foi percebido antes, é uma grande chave para experiências futuras. 
Sugestão de filme: Malévola 
Em segundo plano:
* Alice no país das maravilhas (filme)
* Comer, rezar e Amar (veja novamente após este novo olhar). 
Decida hoje se vai mudar para ser feliz. 
Com meu amor e respeito. 
Namaste. 
 

 


 

Sentir, pensar e agir em harmonia.

Nossas maiores estruturas são o corpo, o propósito e as relações.
  • Relações dentro do corpo entre suas partes e com os corpos mental, emocional, energético;
  • Relação entre seus arquétipos (aspectos de personalidade e papéis sociais);
  • Relações intra e interpessoais.
  • Fluxo em todas as áreas da vida, se retro-alimentando.

Realinhamos estes elementos, de forma sistêmica e multidimensional, para retomar o fluxo da vida e da realização.Viver como num jogo de xadrez, calculando o próximo passo, controlando e administrando reações, gera tensão e compressão.

Sentidos como dores na coluna, articulações, disfunções hormonais, ansiedade, depressão, pânico, obesidade e outros.

Através de dores físicas e emocionais e na vida material, o corpo tenta nos dizer, à todo momento, o que é necessário.

Nosso cérebro assemelha-se a um hardware que opera com softwares (programações). Desinstalamos juntos este software  e instalamos a programação atualizada.

Considerando que nosso software está instalado em rede com o todo, a transferência de dados é ininterrupta e transforma cada célula nossa em cada segundo, sofremos interferências de forma passiva e impotente várias vezes ao dia. As emoções provocam descargas, com emissão de ondas e direito a curto circuito e arquivos fantasmas, vírus e bugs variados.

Somente quando você toma conhecimento, você tem poder de intervenção.

Treine suas partes a seu favor. Está tudo dentro de você.  

Todas as realidades sonhadas/ desejadas já são reais em alguma dimensão de você.

Materializamos a realidade da dimensão que mais alimentamos.