Recuperação de Poder Interno

Recuperação de Poder interno é tão somente voltar-se ao SER.
Nascemos com uma identidade essencial. Somos nosso código genético, somos nossos dons, somos uma criação divina à sua imagem e perfeição.
Crescemos adquirindo comportamentos familiares, educacionais, sociais e experiências vividas. Mas não somos estes comportamentos, isto é tão somente o sistema de crenças que formamos. Ou seja, construímos conceitos em que acreditamos.
O impacto gerado por estas experiências é diretamente determinado pelo ambiente em que vivemos e por crenças adquiridas.

A cada impacto, mesmo que não tenhamos consciência de que este impacto ocorreu, o cérebro registra a imagem, a informação e gera uma impressão do fato como elefoi percebido por nós naquele momento. Este processo de impressão se dá atravésde diversas reações químicas simultâneas no cérebro que distribui, ainda, substâncias para todo o organismo.
Esta impressão fica guardada, mesmo que não tenhamos conhecimento disso, com afinalidade de desenvolvermos autodefesas.
Por exemplo: se quando, criança, em meus primeiros passos, eu faço contato deuma tesoura com uma tomada na parede e sofro um eletro-choque, o cérebrodesenvolve uma autodefesa: eu não vou repetir a experiência para não sofrer ochoque novamente.
É uma função incrível de nosso organismo e faz parte dos instintos desobrevivência. Porém, essa impressão ocorre a partir de nossa emoção geradapelo fato. Não há uma verdade absoluta sobre a realidade do fato. Um fato podeser percebido de diferentes formas a partir de diferentes pontos de vista, diferentes momentos ou diferentes circunstâncias. Esta percepção gera a emoção.
A carga emocional ficou represada, gerando um paradigma. O fato, pelo fato emsi, pode ser visto de uma forma tranqüila e segura hoje em dia, mas acarga emocional gerada no evento ainda está lá, "varridapra debaixo do tapete", ou para o subconsciente, gerandoreações, as tais autodefesas.Em algum momento esta autodefesa pode se transformarem autossabotagem.
Por exemplo: posso não entender por que todos os setores de minha vida são bemsucedidos, exceto o profissional. Recorrendo aos arquivos do subconsciente, acesso uma experiência aos seis anos de idade em que sofri um constrangimentona escola por ler de forma incorreta, sendo colocado de castigo na frente doscolegas de classe e tornando-me ali alvo de julgamento e chacota. Sem que eusaiba, ocorre uma série de reações químicas e, como resultado, sinto uma emoçãoextremamente negativa.
Eu não percebi o processo, não dei o comando consciente para meu cérebro, maseste, em seu funcionamento perfeito e automático, produziu uma série de reaçõesquímicas e incorporou ao meu sistema de crenças que a exposição de meus dons oude minha atuação é algo prejudicial ou perigoso.
Eu não me lembrava desta experiência, mas ela existiu e foi gravada. Destaforma, sem perceber, em minha vida profissional no presente, perco o prazo deinscrição num processo seletivo, perco a prova de um concurso, chego atrasadonuma entrevista ou passo mal na hora de assinar o contrato.
É o instinto de sobrevivência, a autodefesa em ação. Porém, é fácil perceberneste exemplo que este mecanismo atua como autossabotagem, algo que bloqueiameu sucesso.
Automaticamente, com mais uma, duas e tantas mais experiências mal sucedidas, meu sistema de crenças é reforçado com a informação de que a exposição é algoprejudicial, que não vale a pena. As reações químicas estão ocorrendo e, pormais incrível que pareça, minhas células estão se tornando viciadas nestassubstâncias produzidas com a dor e o desgosto.
Pense se sua noção de realidade já não foi modificada várias vezes durante suavida. Mudamos nossos paradigmas porque mudamos nossas percepções, nossa visãode mundo, por diversas razões. Mas só temos oportunidade se fazê-lo sem auxílioquando se trata de conceitos dos quais temos consciência.
Para o cérebro não há distinção entre um fato presente e um fato passado. Eleregistra da forma como percebemos e cria paradigmas, conceitos rígidos da minhanoção de realidade. Apenas mudando o paradigma no passado, através dadesativação da carga emocional que não é mais real, podemos mudar o presente eprojetar um novo futuro.


 

Sentir, pensar e agir em harmonia.

Nossas maiores estruturas são o corpo, o propósito e as relações.
  • Relações dentro do corpo entre suas partes e com os corpos mental, emocional, energético;
  • Relação entre seus arquétipos (aspectos de personalidade e papéis sociais);
  • Relações intra e interpessoais.
  • Fluxo em todas as áreas da vida, se retro-alimentando.

Realinhamos estes elementos, de forma sistêmica e multidimensional, para retomar o fluxo da vida e da realização.Viver como num jogo de xadrez, calculando o próximo passo, controlando e administrando reações, gera tensão e compressão.

Sentidos como dores na coluna, articulações, disfunções hormonais, ansiedade, depressão, pânico, obesidade e outros.

Através de dores físicas e emocionais e na vida material, o corpo tenta nos dizer, à todo momento, o que é necessário.

Nosso cérebro assemelha-se a um hardware que opera com softwares (programações). Desinstalamos juntos este software  e instalamos a programação atualizada.

Considerando que nosso software está instalado em rede com o todo, a transferência de dados é ininterrupta e transforma cada célula nossa em cada segundo, sofremos interferências de forma passiva e impotente várias vezes ao dia. As emoções provocam descargas, com emissão de ondas e direito a curto circuito e arquivos fantasmas, vírus e bugs variados.

Somente quando você toma conhecimento, você tem poder de intervenção.

Treine suas partes a seu favor. Está tudo dentro de você.  

Todas as realidades sonhadas/ desejadas já são reais em alguma dimensão de você.

Materializamos a realidade da dimensão que mais alimentamos.